Honra: “Eu não penso que a palavra significa o que você pensa que significa”

 

Por Christopher Scott Thompson
Publicado originalmente em Gods and Radicals 

Tradução de Gabriel O Dughghaill

O tema da “honra” é de interesse para alguns heathens e pagãos, especialmente aqueles que se vêem num “caminho de guerreiro”. Continuar a ler

Adolf Hitler e o Paganismo

1996_584796778216688_124411273_n3

Tradução por Sonne Heljarskinn a partir do inglês do post da página “Norse Mythology”, que é de 18/04/2014, mas continua plenamente atual. Infelizmente fãs nazistas de Vikernes e Lusvarghi vão ficar desapontados com a posição do Führer acerca do paganismo/interesse em (reviver) antigas culturas pagãs:

HITLER ODIAVA PAGÃOS

O artigo da CNN de segunda-feira (14/04/2014) sobre os crimes de ódio repugnantes de domingo passado, cita um artigo de 1998 Southern Poverty Law Center afirmando que  o Odinismo “foi uma crença alicerce para os principais líderes do Terceiro Reich, e foi parte integrante dos ritos de iniciação e cosmologia da elite Schutzstaffel (SS), que supervisionou a rede de campos de concentração de Adolf Hitler”. Continuar a ler

Sem lugar para racistas no Valhalla

islamistisk_framtidsvisjon1_large-kopi

Original em inglês por Bjørn Andreas Bull-Hansen.
Tradução: Sonne Heljarskinn

Recentemente, vi um post no Twitter que dizia algo como “Sem negros no Valhalla”. Embora seja fácil sentir pena de pessoas que são ignorantes o suficiente para escrever algo assim, eu também fiquei chateado. Eu sei, há idiotas e haters em todos os lugares, mas a mitologia nórdica está perto do meu coração. Dizer que Valhalla é de alguma forma reservado para pessoas com uma cor de pele específica é para mim igualmente insultante como seria para um cristão se alguém entrasse na igreja local e urinasse sobre a figura de Jesus na cruz. Continuar a ler

Sobre os recentes enfrentamentos na Ásatrú

Todo mundo anda puto porque a página não fica em cima do muro em relação a nada só pra ser pop. As babaquices do que se chama “politicamente incorreto” (uma postura birrenta e infantil, para não dizer mimada e de apartamento) dominam boa parte da Ásatrú/paganismo nórdico/heathenry, desde sempre. E esse “politicamente incorreto” ama o nazismo, ama o fascismo, é xenófobo, misógino, racista, homo/transfóbico. Ele simplesmente não respeita a liberdade do outro de ser da maneira que quiser. Lhes pergunto, amigos, se um Bjorn amasse um Óláfr, o que mudaria na minha vida em especial? Em contrapartida, no momento que me digo contra isso, tal fato interfere na liberdade deles de forma absurda. Continuar a ler

Esta é a hora!

Ch_HACSUoAAsONW4

Muitos grupos reivindicam a “autenticidade” do heathenismo, autoproclamando-se, portanto, originais, verdadeiros, únicos capazes de praticar com dignidade, ou mesmo veracidade, o paganismo germânico. Segundo tal lógica, todos os outros grupos e indivíduos são falsos, incapazes racial e espiritualmente de praticar os ritos aos deuses, ancestrais e vaettir, desde os mais simples até os mais complexos.

Mas será isso verdade? Continuar a ler

Paganismo nórdico e o racismo brasileiro

2012_011832_750px_2

Sonne Heljarskinn

Busco manter, sempre que possível, uma distância da política quando falo abertamente e para leigos sobre a Ásatrú, isto é, a fé nos deuses do Norte Europeu. Tal cuidado é por respeito ao interlocutor e para evitar possuir um discurso sectário e viciante. Continuar a ler

Heathens contra o ódio: Entrevista exclusiva com o Sumo Sacerdote da Associação Pagã Islandesa

O ALLSHERJARGOÐI Hilmar Örn Hilmarsson (no centro), o sumo sacerdote da Associação Pagã Islandesa argumenta que aqueles que vêem a Ásatrú como uma religião de militarismo, derramamento de sangue e adoração de heróis estão vendo isso através do prisma do nacionalismo alemão do século XIX, e não da Edda Poética. Foto/Stefán Karlsson.

O ALLSHERJARGOÐI Hilmar Örn Hilmarsson (no centro), o sumo sacerdote da Associação Pagã Islandesa argumenta que aqueles que vêem a Ásatrú como uma religião de militarismo, derramamento de sangue e adoração de heróis estão vendo isso através do prisma do nacionalismo alemão do século XIX, e não da Edda Poética. Foto/Stefán Karlsson.

Por MAGNÚS SVEINN HELGASON. Tradução de Sonne Heljarskinn. Link  of the original english post.

This is a non commercial translation. Continuar a ler