Ancestrais — O que eles realmente são?

Sonne Heljarskinn, em homenagem à minha querida avó.
Existem muitas formas de se enxergar os Ancestrais no paganismo nórdico. Mas creio que a maioria das pessoas fica confusa sobre o que eles são e como honrá-los de fato. Geralmente as pessoas pensam que ‘procurar a religião dos Ancestrais’ é o suficiente. Tenho a impressão de que isso é mais um começo do que um fim em si mesmo.

As Runas Vikings

Publicado originalmente em My Little Norway.
Tradução por Sonne Heljarskinn

Na era dos Vikings (800-1100 da Era Comum), a Escandinávia usou um alfabeto rúnico conhecido como Novo ou Younger Futhark (fuþark). Ele era composto por 16 símbolos sonoros conhecidos como runas. O Novo Futhark desenvolveu-se a partir do Antigo ou Elder Futhark (150 a 800 da Era Comum), uma forma mais antiga de linguagem germânica composta por 24 runas. Ambos os alfabetos são chamados após as primeiras seis runas F-U-þ-A-R-K. O Novo Futhark é basicamente a forma escrita do Nórdico Antigo – a língua dos Vikings. Continuar a ler

Animismo na Heathenry

Publicado originalmente em Heathen Hearth.

Tradução para o português por Sonne Heljarskinn.

“E proibimos fervorosamente todo paganismo: o paganismo é que os homens adoram ídolos; Ou seja, adoram deuses pagãos, e a Sol ou o Lua, fogo ou rios, fontes de água ou pedras, ou árvores da floresta de qualquer espécie … ”
As Leis do Rei Cnut.

A filosofia animista tornou-se influente no movimento neo-pagão através da influência combinada das ideias do ativismo ambiental sobre a interconexão de todas as partes da biosfera e da pesquisa antropológica e histórica em ambas as tradições pré-cristãs que o Continuar a ler

Crer nos deuses certos ou agir corretamente?: Um dilema na Ásatrú

Por Sonne Heljarskinn

Tentarei, por vários motivos ser breve neste texto. Por isso alguns pontos serão aprofundados apenas futuramente.

Esse texto será apenas um amontoado rápido de questionamentos. Espero que sirva para causar reflexão tanto em pagãos recentes, ou mesmo naqueles que são filhos de pagãos. Continuar a ler

Sunnôniz Fulka Herþaz: Um lar Heathen

Já faz pelo menos seis anos que iniciei minha caminhada através do paganismo. Nessa jornada, sempre habitando fora dos grandes centros de convergência de pessoas que se autodenominam pagãs, fui obrigado a seguir um caminho solitário, e , não importa quão paradoxal isso que seja, extremamente dependente da internet.

A grande verdade é que durante a maior parte da minha curta caminhada no paganismo eu entendia muito pouco do que era ele à exceção de mitologia. Deus disso, deus daquilo. Isso se devia principalmente a um grave problema: minha dependência praticamente exclusiva do português como fonte de informação. Continuar a ler

Então você quer ser um heathen

Escrito por Räv Skogsberg em 2 de Fevereiro, 2017 (trad. por Wander Steyner)

Recentemente, em um grupo do Facebook do qual faço parte, um amigo me fez uma pergunta: “Digamos que alguém se interesse em se tornar Pagão Nórdico; que conselhos e sugestões você daria?” Este é um tema que considero muito importante, e como respondemos a essa questão diz muito do que o Paganismo representa para nós. Sendo Pagão Sueco, há coisas para as quais minha resposta não funcionará em outros países – diferenças societárias e culturais podem interferir, ou a forma como o Paganismo funciona nesses lugares pode ser muito diferente. Ainda assim, vou arriscar. Continuar a ler

A Nossa Religião É Uma Religião Agrária

Publicado originalmente em Wyrd Designs (Https://wyrddesigns.wordpress.com/2016/02/16/ours-is-an-agricultural-religion/)

Traduçao de Heitor Gomes

farm_scene

A nossa religião não é apenas uma religião de guerreiros, mas infelizmente isso é o mais alardeado. Nossa religião é uma religião AGRICULTURAL. Se você verdadeiramente examinar todos os nossos ritos e datas sagradas, eles se enfocam em vitalidade e sobrevivência, e portanto, especialmente nas principais épocas sagradas, conectam com momentos chave de uma cultura agrária, da colheita até a organização dos animais. Sim, nós honrávamos os ancestrais e usávamos nosso tempo honrando aqueles que morreram em bom serviço à comunidade. Mulheres que morriam no parto eram TÃO altamente honradas quanto homens que morriam em batalha em algumas comunidades. Um poeta ou skáld poderia ter honras tão altas quanto qualquer guerreiro, etc… Continuar a ler