My grandfathers; my heroes.

A rather sentimental and slightly personal piece on ancestral veneration and pride in modern times.
By Einar Valur Bjarnason Maack, skáld at Hvergelmir International
A large part of the Heathen worldview and faith is that of loving where you come from. Ancestral veneration. Appreciation of your roots and the people whom have affected your life.

Continue a ler “My grandfathers; my heroes.”

Bindrunes Nórdicas

Publicado originalmente por Justin Foster.
Tradução por Sonne Heljarskinn.

Runir Seu Danica, O Worm, 1651, p117.
Runir Seu Danica, O Worm, 1651, p117.

A palavra bindrune significa a ligação [binding] de duas ou mais runas. Elas ocorrem intermitentemente em escritos rúnicos, no entanto, era predominante em escritos nórdicos e raramente em anglo-saxões. A finalidade usual era abreviar a escrita mas em alguns casos foi usada esconder o que foi escrito. Continue a ler “Bindrunes Nórdicas”

A Saga Não Contada do Viking Negro

Hjør e Lufvina com os gêmeos Geirmund e Håmund Heljarskinn por Anders Kvåle Rue
Hjør e Lufvina com os gêmeos Geirmund e Håmund Heljarskinn por Anders Kvåle Rue

Texto original em inglês (link) por EYGLÓ SVALA ARNARSDÓTTIR. Tradução de Sonne Heljarskinn & Andarilho. This translation has no commercial purposes.

Eu (já) tinha ouvido falar do Viking Branco (White Viking) antes, mas o Viking Negro (Black Viking) … quem era? Como eu sempre fui interessada na história e nas sagas islandesas, eu ouvia atentamente quando este personagem misterioso apareceu em um evento social recente. Continue a ler “A Saga Não Contada do Viking Negro”

Woden versus Odin: Diferenças?

2d33a29234e0d8831d2d002571b6a2c4
Odin, retratado como um andarilho com suas aves, os corvos

Post original em inglês (link) no blog “of axe and plough” por thelettuceman. Tradução de Sonne Heljarskinn.

Diferentes expressões culturais de Heathenry geram diferentes interpretações culturais de (em grande parte) o mesmo grupo principal de divindades. Derivando de uma fonte Proto-Germânica comum, essas divindades são a base das características religiosas dos diferentes povos germânicos que constituem o foco da Heathenry Reconstructionista e Contemporânea. No entanto, como as diferentes culturas germânicas floresceram, propagaram-se, e migraram, a compreensão que eles tinham de sua religião afastou-se, tanto quanto suas línguas e identidades tribais. Isso criou um abismo dentro da compreensão das miríades de interpretações das divindades germânicas que podem causar confusão para ambos os recém-chegados e praticantes veteranos de Heathenry. Continue a ler “Woden versus Odin: Diferenças?”

A Primeira Guerra – Asen contra Vanen

Aesir and Vanir War. Artista: Milivoj Ceran
Aesir and Vanir War. Artista: Milivoj Ceran

Publicado originalmente em Alemão. Tradução e revisão ao português por Sonne Heljarskinn.

Asgard é a residência dos Asen, os deuses e deusas da guerra, tais como Odin e Thor. No mesmo nível do mundo localiza-se Vanaheim, casa dos Vanen, deuses e deusas da fertilidade, como Freyr e Freyja. Continue a ler “A Primeira Guerra – Asen contra Vanen”

Heathens contra o ódio: Entrevista exclusiva com o Sumo Sacerdote da Associação Pagã Islandesa

O ALLSHERJARGOÐI Hilmar Örn Hilmarsson (no centro), o sumo sacerdote da Associação Pagã Islandesa argumenta que aqueles que vêem a Ásatrú como uma religião de militarismo, derramamento de sangue e adoração de heróis estão vendo isso através do prisma do nacionalismo alemão do século XIX, e não da Edda Poética. Foto/Stefán Karlsson.
O ALLSHERJARGOÐI Hilmar Örn Hilmarsson (no centro), o sumo sacerdote da Associação Pagã Islandesa argumenta que aqueles que vêem a Ásatrú como uma religião de militarismo, derramamento de sangue e adoração de heróis estão vendo isso através do prisma do nacionalismo alemão do século XIX, e não da Edda Poética. Foto/Stefán Karlsson.

Por MAGNÚS SVEINN HELGASON. Tradução de Sonne Heljarskinn. Link  of the original english post.

This is a non commercial translation. Continue a ler “Heathens contra o ódio: Entrevista exclusiva com o Sumo Sacerdote da Associação Pagã Islandesa”

Da Bárbarie à Civilização?

Por MARIA KVILHAUG em inglês. Tradução de Seaxdēor.

Notas com comentários de investigação de fonte secundária por Maria Kvilhaug.

Há muito que se presume que a conversão, que aconteceu durante a Era Viking, ou seja, entre 800-1030 da era comum, marcou uma mudança da barbárie Heathen à civilização cristã nos países do norte. Gro Steinsland [1] faz a pergunta, afinal; É essa visão realmente precisa? Isso é verdade? Continue a ler “Da Bárbarie à Civilização?”

Homossexualidade na Ásatrú

Como o NORSKK define a si mesmo: "Somos uma irmandade Víkingar dos dias modernos vivendo nas tradições ancestrais nórdicas pré-cristianização, incluindo o Víkinga Code: coragem, honra, força, fraternidade, lealdade, integridade, Disciplina, Determinação, Simplicidade. Compartilhamos nossas tradições ancestrais, nossas habilidades e nossa sabedoria para torná-lo um verdadeiro Víkingr, ou podemos usamo-los para garantir sua sobrevivência em ambientes agressivos ou hostis".
Como o NORSKK define a si mesmo: “Somos uma irmandade Víkingar dos dias modernos vivendo nas tradições ancestrais nórdicas pré-cristianização, incluindo o Víkinga Code: coragem, honra, força, fraternidade, lealdade, integridade, Disciplina, Determinação, Simplicidade. Compartilhamos nossas tradições ancestrais, nossas habilidades e nossa sabedoria para torná-lo um verdadeiro Víkingr, ou podemos usá-las para garantir sua sobrevivência em ambientes agressivos ou hostis”.

Pessoas folkish[1] amam referir-se a algum trecho da Germânia de Tácito, o que sugere que a homossexualidade foi condenada por algumas tribos germânicas. Eles também apontam para a existência de duas múmias do sexo masculino no pântano de Weerdinge na Holanda, alegando que eles foram mortos porque eles eram homossexuais. Eles ainda parecem convencidos de que sabem o significado dos textos em nórdico antigo melhor do que ninguém, incluindo aqueles de nós que compreendem verdadeira e atualmente o nórdico antigo. Continue a ler “Homossexualidade na Ásatrú”