Seaxnēat

17266246_1850755605166166_3983185591234723840_n

Na mitologia germânica, Seaxnēat (pronunciado [seksnêiout]) ou Saxnōt é o deus tribal dos saxões. A forma em inglês antigo Seaxnēat está registrada nas genealogias dos reis de Essex. A forma Saxnōt em saxão está registrada no voto batismal saxão antigo junto com os deuses Uuoden (Woden/Odin) e Thunaer (Thor).

A genealogia dos reis de Essex originalmente colocou Seaxnēat em seu ápice. Foi posteriormente modificado para fazer Seaxnēat filho de Woden, com o primeiro rei de Essex sete gerações mais tarde:

Woden, Seaxnēat, Gesecg, Andsecg, Swaeppa, Sigefugel, Bedca, Offa, Æscwine (por volta de 527-587)

O nome é derivado geralmente do “seax”, a faca epônima que era característica da tribo, e “neat”, cognato com alemão “not”, necessidade ou ajuda, significando a “ajuda(nte) dos saxões”. A metodologia disponível na época derivou o nome de “seax” e (ge) -not, (ge) -nēat como “companheiro” (cognato com Genosse alemão “camarada”), resultando em uma tradução de “companheiro de espada” (gladii consors, ensifer). Esta interpretação do nome é graças a Jacob Grimm, que identificou Saxnot com o deus Tiw (Zio), e é mais recentemente endossada por Chaney , mas Simek prefere uma identificação com Fro, seguindo Gabriel Turville-Petre (e invocando a hipótese trifuncional de Georges Dumézil).

Seaxnēat é então um poderoso, embora pouco mencionado deus. Ele é o espírito por trás da força impetuosa dos saxões que chegaram a Inglaterra ou permaneceram no continente (onde hoje é a atual Alemanha). É um deus guerreiro, que molda seu povo com sangue e ferro.

Apesar disso, ele pode ser melhor entendido como uma faca (seax), que deu o nome aos saxões. A faca era sua melhor amiga, era parte de você. Numa época dura, onde guerreiros e reis se esfolavam por nada, onde muitas vezes você se encontrava sozinho na floresta, sua adaga era sua única companhia.

Seaxnēat não tem apenas essa visão violenta. Ele é o gerador, o pai dos saxões. Seaxnēat assim é aquele que quer o seu povo forte, para que possa ser reestabelecida a troca de presentes entre o deus e os homens. A bravura, a audácia de se cultuar a um deus – quase esquecido – como ele é aquilo que jamais pode ser ignorado por Seaxnēat, uma vez que ele é um “deus dos ancestrais”, no sentido de ser uma divindade “paterna” – entendam paterna como “gerador” e não como “babá”.

O caminho de Seaxnēat é o caminho de volta para a tribo. É o caminho de volta a um tempo heróico que precisa ser recriado hoje em dia. Seaxnēat exige sacrifícios (animal, ofertas, presentes) mas retorna a força perdida no mundo moderno. Seaxnēat é um protetor de sua família. Mereça o privilégio de estar nela e aja com a honra que isso exige para com os que são a ti ligados, seja pelo sangue, seja pela wyrd.