Área de Runas

A origem mais antiga das práticas de divinação rúnica modernas apenas datam do século  XVII.

Apesar de muitos defensores da adivinhação rúnica apontarem para o registro de Tácito sobre as tribos germânicas jogando bastões com marcas esculpidas sobre eles como um método de predizer o destino, na verdade, no tempo da Germânia de Tácito, as runas Futhark ainda não tinham se consolidado. Se elas realmente existissem naquela época, elas teriam sido limitadas a uma região geográfica bastante reduzida.

As ideias que levaram à prática moderna da adivinhação rúnica realmente começaram em um livro chamado Adalruna Rediviva escrito em 1605. Foi escrito por um hermetista rosacruz que procurava criar uma forma mais germânica da Kabbalah.

Isso, por sua vez, inspirou Guido Von List a criar as Runas Armanen em 1908. Von List afirmou que essas 18 runas representavam os 18 feitiços de Óðinn do Hávamál, e lhe foram reveladas em uma série de visões divinas.

Em 1982, inspirado pelas Runas Armanen e alguns dos esforços subsequentes para explicá-las, Ralph Blum usou seu conhecimento do ‘I Ching’ chinês para criar seu próprio tipo de adivinhação rúnica. Blum foi o primeiro a utilizar runas em peças, e inventou a prática de incluir uma peça em branco em cada conjunto.


[Fonte]

As Runas Vikings

Elder Futhark

Younger Futhark.

Bindrunes Nórdicas

O Caminho às Runas

Runas: uma abordagem reconstrucionista

Nossa pasta no drive com vários pdf’s sobre runas.