Nornir: as fiandeiras do destino

As 3 Nornir na Fonte Urðarbrunnr. A que aparece de asas é Verðandi.

As Nornir (Nornas) são as 3 deusas do tempo: Urðr (Urd – Passado), Verðandi (Verdandi – Presente) e Skuld (Futuro). A elas cabem controlar: a sorte, o azar e a providência. Seu controle é sobre todos os seres dos 9 mundos, incluindo os deuses. Elas são Dísir: espíritos femininos. Além delas há outras Dísir (espíritos femininos) associadas a indivíduos em particular, e que também podem enquadrar-se como Nornir. Outras Dísir, por exemplo, são as Valquírias.

As 3 Nornir ao pé de Yggdrasil tecendo o destino dos homens e dos deuses.

Mesmo cada uma das Nornir representando um período de tempo distinto, não se pode associar o destino de algo a somente uma delas, pois o destino depende das 3, mostrando que: passado, presente e futuro estão entrelaçados.
Elas são tecelãs, e tecem o destino dos deuses e dos homens. Cada fio representa um ser, e o tamanho dele é referente ao seu tempo de vida. Há fios que representam também a vida dos deuses, uma vez que os deuses nórdicos são mortais, mas elas não permitem a eles verem.

As 3 Nornir – A que aparece de asas é Verðandi.

 Elas nasceram da fonte de Urðarbrunnr (Urdarbrunnr – Fonte de Urðr – Fonte do Destino), onde nasceu e cresceu a árvore Yggdrasil. As Nornir vivem sob as raízes da árvore, e a regam para que se mantenha verde e não apodreça.
Na Mitologia Nórdica tudo está predestinado a algo, e como quem predestina são as Nornir, isso as tornam uma força incontrolável, estando acima dos poderes dos deuses.
As Nornir são representadas como 3 mulheres: a virgem (Skuld), a mãe (Verðandi) e a anciã (Urðr). Apesar de serem consideradas deusas do destino, as Nornir são jötnar (gigantes), e as 3 são donzelas (virgens).

De modo mais abrangente, as Nornir são vistas de maneira negativa por estarem relacionadas a morte, mas às vezes também são vistas positivamente, pois também estão associadas ao nascimento e a vida.
Etimologia: Urðr e Verðandi são derivadas do verbo “verða” (do norueguês antigo) que significa “ser”. Urðr deriva de sua forma no passado, assim significando: “aquilo que se tornou” ou “aquilo que aconteceu” (aquilo que foi). Verðandi deriva da sua forma no presente, significando: “aquilo que está acontecendo” (aquilo que é). Skuld deriva do verbo “skulla” (do norueguês antigo) que significa: “ser necessário”; ou seja, significando “aquilo que deve acontecer”.


Fonte:
[1] http://amitologianordica.blogspot.com.br/2014/06/nornir-nornas.html