O papel e responsabilidades do Hêmahêto

Escrito por Erik Lacharity
Traduzido por Seaxdēor

Este texto é feito sob a ótica do reconstrucionismo heathen dos povos germânicos conhecidos como francos. Embora alguns termos possam soar estranhos, possuem cognatos ou equivalentes em demais partes do mundo tribal germânico e por isso são de tremenda importância mesmo para reconstrucionistas anglo-saxões ou nórdicos.

Antes de ter mudado para a nossa casa atual, comecei a refletir sobre o que seria viver no sítio com minha família em crescimento em um bom terreno. Quando eu olhei o que seria o futuro Erikhêm, senti um sentimento de completude. Esta seria a minha “casa para sempre” com minha família, onde eu estaria criando meus filhos e entrando em um círculo de presentes com os wights da terra.

Pouco antes de obter a aprovação final de todas as partes no que diz respeito à compra da casa, tirei um pouco de terra do túmulo do meu avô, que eu mantive no enterro e polvilhei sobre os quatro cantos da terra e na casa . Parece uma coisa tola, mas teve grande importância para o futuro bem-estar do meu hîwiski (que é o lar: família, terra, dependências, árvores, quintal, casa, animais de estimação e todas as outras imediações). Eu tinha entrado em contrato com meus antepassados. Pedi a ajuda do meu avô na compra da casa, pois, por sua vez, ele também se beneficiaria de nossa melhoria. Você viu, eu tinha feito meu lar fora do “lar de origem” e, embora eu não esteja muito longe da minha infância e terras ancestrais, duas horas de distância fazem a viagem maior do que atravessar a cidade. Eu tinha concordado em visitar muitas vezes meus antepassados e levar meus filhos para visitá-los também (e aprender os costumes certos) e oferecer-lhes ofertas quando fizermos. Como tal, quando eu vou agora “de volta para casa de origem”, eu sinto que é imperativo passar o tempo igual (dentro do razoável, é óbvio) entre meus parentes vivos, saudáveis e meus ancestrais nos túmulos.

Mas, porém, minhas responsabilidades são semelhantes a qualquer outra pessoa, como trabalhar, fornecer abrigo e uma boa educação para meus filhos. Ser um bom e saudável hiwun (cônjuge) é primordial, pois em um casamento é preciso membros fortes e comprometidos para fazer as coisas funcionarem.

Dito isto, eu não simplesmente me vejo como quem põe o pão na casa (principalmente porque nós dois somos), o Papai e outros títulos desse tipo. Eu sinto que todas essas coisas, sejam deveres ou prazeres, se encaixam embaixo de um único chapéu. Cheguei à conclusão que a melhor forma de chamar esse chapéu é Hêmahêto, dentro de uma estrutura de Aldsido Franco, já que ele melhor descreve o penúltimo papel do “primeiro homem da casa”. Hêma é derivado da mesma raiz que a palavra inglês moderna “lar” (home), com o significado de “um lugar estabelecido”. A segunda parte da palavra, hêto, é da mesma raiz que a palavra inglesa moderna “-hest” e significa “comandar (vocalmente)”. Nesse sentido, o Hêmahêto é “aquele que comanda o lar”. Isso não significa que eu fico cuspindo ordens na minha família como se fosse um rei. Não, o Hêmahêto histórico certamente não era o rei, mas ele teria sido responsável por muito mais do que sou hoje. O Hêmahêto histórico era o líder do lar, que é de uma unidade familiar multigeracional que ocupava um determinado território ocupado em comum. Ele teria sido responsável por desempenhar um papel maior na tribo como líder de homens capazes de suportar os vários estratos superiores da sociedade, sejam eles Comes, Dux ou Rex (ou qualquer um dos similares).

O termo é referido na Lei Sálica sob o título “Quanto ao roubo de gado” (Fischer Drew), que estabelece uma série de multas por roubar vacas de várias maneiras. Sob um certo número dessas composições, menciona-se o ato ocorrendo ou pertencente a uma “villa”. Villa é um termo usado muitas vezes para traduzir palavras germânicas como thurp (grande fazenda ou “aldeia”) e hêm (um grande povoado ou “aldeia”), cada um deles sendo bons cognatos e muitas vezes usados de forma intercambiável. Hêmahêto também é um cognato próximo do heiwafráuja dos godos (oikedespótes ou Senhor da Casa) (DH Green), ambos por sua vez relacionados em contexto ao latim Dominus e como o dominus mantém o domínio sobre uma villa, assim também o Hêmahêto manteve o hêm e hîwiski.

Teriam sido Hêmahêta muito ambiciosos, que teriam sucedido os Reis Merovíngios como os Arnulfings fizeram e provocaram a Era Carolíngia. No entanto, naquela época, eles eram conhecidos como domus principal (chefe do lar), um termo cognato e, portanto, uma continuação daquela personalidade Franca Antiga. Também não deve haver confusão entre o hîwiski, que é o lar/família estendida do Hêmahêto e o thiad do Antthiad (o rei, “aquele que é transversal/distinto/contra a nação”). Antes do advento da realeza sacra franca, antes da gênese franca propriamente dita (antes do reinado, eles eram conhecidos pelos nomes menores de thiadisk), os povos eram governados por líderes comunitários conhecidos como thungino/raginburgi (juízes em um tribunal) que resolveram disputas e conheciam o êwa (lei) habitual.

Embora um tópico para outro tempo, Frankisk Aldsido é um reavivamento heathen (pagão) que é preocupado por e com as continuação do hîwiski (lar) e hêm (assentamento) e então o domus e não tanto com os genes do thiad, nem com o estranho que pode morar na estrada que pode vir a ser Asatru. Como eu descreverei em uma publicação futura, a Heathenry começa na casa e envolve a família. Se essa casa expressar uma identidade franca, como a minha, então, thia aldsido é uma manifestação desejável de tal expressão heathen.

Estou consciente da personalidade histórica do Hêmahêto e eu o respeito pelo que ele era e tento usar esse conhecimento como um barómetro para mim. É o meu papel nesta vida manter o bem-estar da minha família, educar os meus filhos, alimentá-los, vesti-los, abrigá-los e alimentá-los um dia tornar-se líderes de casa fortes por sua vez. Devo defender meus mortos e cuidar do bem-estar para que eles possam cuidar do nosso e às vezes eu posso ter que buscar a ajuda dos deuses. Mas, acima de tudo, eu sou apenas um link em uma longa cadeia e, à medida que esses links vão e vem, da forja ao rolo, é minha única esperança que eu tenha tornado o hîwiski melhor por me ter como seu Hêmahêto.