Óðinn — ou Papai do céu e o mundo de lesões corporais graves

11825581_1015331871851471_7221553044032774845_n.jpg

Link do post original [inglês]
Escrito por Einar V. Bj. Maack [skald do Hvergelmir International]
Tradução por Sonne Heljarskinn e Raendel

Uma especulação sobre a má formação de uma divindade.

Óðinn é um deus popular entre pagãos e pessoas que aderem à cultura ou religião germânicas.

Mesmo que hajam pessoas que tratam Óðinn como uma espécie de substituto de Jeová ou se apeguem a ele apenas, ignorando o resto do panteão germânico.

Não vou entrar em diferenças entre Óðinn e Wotan. Não é minha intenção enfadar tão profundamente nessa especulação, mas sim tentar provocar o pensamento crítico em relação a Óðinn e as várias fontes que, em minha opinião, ignoram o que se sabe dele a partir da tradição [lore].

Um dos maiores mal-entendidos que as pessoas têm é tratar Velho Caolho como uma espécie de Gandalf Papai do Céu (e sim, Gandálfr é um dos kenningar [nomes poéticos] de Óðinn, mas na realidade esse nome não é tão amigável quanto Ian McKellen — mas eu vou chegar a isso mais tarde). Como se Óðinn fosse um Deus carinhoso e amoroso.

Para aqueles que pensam assim e ficarão ofendidos ao ouvir que ele não é, por favor, encontrem a porta (e sinceramente… isso não demonstra sua fortitude mental). Porque ele năo é.

Primeiramente. Óðinn é dito como sendo um buscador de conhecimento. Portanto, é irônico que muitos daqueles que se apegam ao seu nome tendem a ser ignorantes da sabedoria quando se trata de sua fé desalinhada em que ele é um Papai Noel cinza.

Em segundo lugar, ele é um guerreiro e um deus de guerreiros – e colecionador de guerreiros também.

Mas ele é elitista.

E COMO ele é elitista.

Muitas pessoas têm confundido Valhalla com um “paraíso pagão”, o que é totalmente ignorância tanto da teoria acadêmica de que Valhalla é um kenning [nome poético] para uma sepultura de campo de batalha, e a descrição de Valhöll na tradição [lore], bem como a nomeação de vários outros locais de vida após a morte na tradição [lore].

Na Edda em prosa diz-se que os melhores daqueles que são mortos em batalha se dividem entre Fólkvangr de Freyja e Valhöll de Óðinn.

Somente aqueles considerados dignos entrarão naquele salão, onde se empenharão numa batalha eterna para se prepararem para Ragnarök. Eles vão lutar desde o nascer do sol até o pôr-do-sol (ou até serem mortos), de onde os mortos ressuscitarão e os Einherjar recolhidos festejaram todas as noites em hidromel e javali.

Mas isso não significa que a sua luta com a aceitação da realidade ou luta contra alergias irão conceder-lhe um bilhete dourado. Combater a doença é bom e respeitável, mas os fisicamente frágeis não têm lugar em um campo de batalha.

Existem normas.

99,9% das pessoas não cumprem essas normas, não iriam querer fazer os sacrifícios necessários para chegar ao que foi dito e deviam talvez considerar um deus que é menos um guerreiro-obcecado-bastardo que o velho MEDO, (Uggr/Yggr), PORTADOR DA LANÇA (Geirvaldur, Biflindi, Geirölnir, Geirlöðnir, Geirtýr, Gandálfur**), PAI DE MORTE VIOLENTA (Valfaðir), AGRESSOR (At-riði), OLHOS-FLAMEJANTES (Báleygr), AQUELE QUE TRABALHA COM MALDIÇÕES (Bölverkr, Skollvaldr), SENHOR DOS MORTOS (Draugadróttinn).

Isso soa como um cara amigável para você?

Sério, um monte de gente prefere morrer na cama cercado com aqueles que amam após uma vida longa fecunda, friðsælt ****, de enriquecer a vida de seus Frændgarðr ***.

As pessoas não percebem que chamar a atenção de Óðinn é um ato de autossacrifício por si mesmo, pois há poucas pessoas que chamam sua atenção… alguém pode obter a pista através de seus kenningar e heiti mencionados acima.

E mesmo quando Óðinn é atestado na tradição [lore] éddica como o mais alto dos deuses, ele provavelmente nunca foi um deus para muitos, mas para apenas alguns, reis e guerreiros de elite. Não simples homens de família.

Muita gente grotescamente superestima suas proezas físicas e mentais e não tem lido a sua tradição [lore] bem o suficiente, o que é uma gafe [faux pas] quando se é dedicado ao buscador do conhecimento.

Óðinn é um deus exigente, e assim as pessoas devem procurar não decepcioná-lo. Eu não acho que isso iria acontecer de uma boa maneira.

Ele não é seu papai-do-céu docíneo lindíneo [cuddly-wuddly-sweety-pie] que o ama como você é.

Ele realmente não liga merda nenhuma pra isso (pra qualquer coisa, exceto seus objetivos determinados) e é melhor as pessoas não desperdiçarem o tempo dele.

Você aposta que você não é um desperdício do tempo dele?

* Qual é a razão de estar no politeísmo se você está indo apenas para selecionar um deus?

** Gandálfr é também o nome de um anão. Gandálfr e os outros nomes ali, Geirvaldr etc., todos apontam para a sua proeza com uma lança.

*** Frændgarðr – o recinto da família – e aqueles que você considera a família. O mesmo conceito como o linguisticamente errado “innangarðr” que significa “dentro de cerca”. A menos que você esteja vendo as pessoas como ovelhas, isso não faz sentido.

**** Friðsælt – cheia de frith ou pacífica, desprovida de conflito.

One thought on “Óðinn — ou Papai do céu e o mundo de lesões corporais graves

  1. Desde que comecei a pesquisa, cada vez mais os saloes de niffem me parecem agradaveis rsrs.
    Beber e comer e comemorar ao lado de balder e muitos outros me parece mais interessante do que passar o dia inteiro enterrando uma lança no peito de um caba mais forte que eu rsrs

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s